SAIA DO SOL E DA CHUVA, ENTRE...

A morada é simples, é sertaneja, mas tem alimento para o espírito, amizade e afeto.



sexta-feira, 17 de julho de 2015

O REALISMO FANTÁSTICO NO REALISMO DA VIDA


Rangel Alves da Costa*


Costuma-se dizer que há coisas inexplicáveis e somente possíveis na ficção. Por sua vez, as situações extremadas, eivadas de fantasias e muito além do permitido na realidade humana, a teoria literária denomina de realismo fantástico. Este é a descrição de situações irreais, sobrenaturais, incomuns e até absurdas, como se fossem situações costumeiras para determinadas pessoas.
No realismo fantástico, os fatos são irreais, ilusórios, envoltos em magia ou estranhos à normalidade cotidiana, mas são abordados como se realmente existissem. Tudo é possível acontecer: animais podem ter comportamento humano, o homem viver alheio à realidade e simplesmente levar sua vida esperando que nasçam asas para poder voar, povoações inteiras viverem num mundo de crenças absurdas e fazendo disto seu suporte de sobrevivência.
É próprio do realismo fantástico que o improvável aconteça ou que o absurdo e inusitado sejam vistos como presenças costumeiras. Nele há um mundo que se desanda para se amoldar ao mundo de pessoas incomuns. Por isso mesmo tão utilizado pela literatura e pela dramaturgia. Procura-se fugir dos formalismos e mostrar que é possível construir uma história real a partir de ilusões e fantasias. E os leitores e telespectadores geralmente se encantam com os personagens que apresentam características que desafiam a imaginação.
Contudo, mesmo que muitos sequer percebam ou conheçam sua existência, a verdade é que o realismo fantástico também pode ser encontrado na realidade cotidiana, no dia a dia da vida, nas durezas da normalidade do mundo. Um realismo tão contundente num povo que logo se imaginaria estar diante de uma absurda fantasia.
Que bom se o mestre do realismo fantástico, o saudoso Gabriel Garcia Márquez (Cem Anos de Solidão), tivesse descrito uma situação assim: “O dia amanheceu e não havia nem um resto de pão, não havia nada chamado alimento. E logo os quatro filhos despertaram. O menorzinho já choroso de fome. Então a mãe, sem saber o que fazer, caminhou pelos arredores, colheu folhas verdes e de volta macerou-as, tornando o mato numa papa verde. E depois entregou uma porção a cada um dos filhos. A bem dizer, a fome faz tudo ter gosto bom. Talvez seja assim...”.
Igualmente fantástico se Juan Rulfo (Pedro Páramo), outro mestre do realismo mágico, tivesse descrito uma situação como esta: “Na verdade, não havia como definir bem o que era homem e o que era bicho. O homem parecia grunhir, latir, fazer ruídos caninos, ao morder um osso podre encontrado em meio ao lixão. Antes, havia ficado de quatro para se locomover sobre os retos putrefatos, sobre as sobras fétidas ali acumuladas. E na sua companhia um ser calmamente sorvendo um resto de qualquer coisa. Era um cachorro. Mas os dois numa mesma situação de miséria”.
De boa lavra seria se Murilo Rubião (O ex-mágico), autor característico do realismo fantástico na literatura nacional, tivesse relatado a seguinte situação: “Eis que o homem de repente se torna palhaço sem nunca haver pisado num circo, se torna doido de pedra sem jamais ter qualquer problema mental, se torna um errante desconhecido de si mesmo ainda que tenha moradia fixa e uma família que o espera. E por que assim? Ora, os abusos dos governantes acabam colocando nariz de palhaço em cada indivíduo. A sensação de desempregada provoca insanidade em qualquer um. A desesperança com o presente e futuro faz com que qualquer pessoa erre os caminhos de volta e saía por aí sem destino. E ele ia com seu nariz de palhaço dando gargalhadas, levando na mão uma gaiola de onde soltava passarinhos imaginários a todo instante, mas de vez em quando parando para dizer que era Deus e depois chorar. E chorava igual criança de berço”.
Da imaginação de José J. Veiga (A Hora dos Ruminantes), outro exímio expoente do fantástico nas letras brasileiras, talvez surgisse tal descrição: “Ele dizia a todo mundo que tinha uma casa. Dizia até ter endereço. Mas tão difícil de ser encontrada que ninguém realmente a encontrava. Pois não era uma casa, mas apenas quatro paredes, ora de papelão, ora de tapume, ora numa junção de pedaços de madeira e tudo que encontrasse pelas ruas asfaltadas. Também dizia ter uma casa mobiliada de tudo, vivendo no luxo dos ricos. Porém tinha de se contentar com o nada. Sim, com o nada, pois a única coisa ali existente era o objeto do ser. E quando ele saía não restava nada”.
Como se observa, há na vida real, principalmente nas classes mais empobrecidas, um realismo também fantástico. Ninguém acredita que possa existir vida assim, ninguém sequer imagina ser possível viver no e do nada. Mas basta se deparar com a realidade para ter a certeza de que o inexplicável sustenta a própria vida.


Poeta e cronista
blograngel-sertao.blogspot.com

Nenhum comentário: