SAIA DO SOL E DA CHUVA, ENTRE...

A morada é simples, é sertaneja, mas tem alimento para o espírito, amizade e afeto.



sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

MENINA BONITA (Crônica)

MENINA BONITA

Rangel Alves da Costa*


O que é belo tem prece e altar em qualquer lugar. Por mais que a isonomia do olhar de muita gente pretenda enxergar a beleza dentro de um contexto maior, envolvendo o físico e o espiritual, o visível e o não visível, verdade é que o belo sempre ressalta pela presença e pela expressão agradável que causa.
Pactuo com o poetinha, ao dizer um dia, e com elevada inspiração, que desculpem as feias, mas beleza é fundamental. Vinícius, como tantos outros que não fantasiam diante da realidade do olhar, simplesmente sentencia que inegavelmente a beleza existe e prevalece mais em determinadas pessoas do que em outras.
Não desconsidero as assertivas de quem procura justificar a beleza a partir de noções abstratas, de invenções que os próprios olhos não aceitam. E dizem que a beleza se revela no interior da pessoa, que não há boniteza num espírito rude e desajustado, que não pode ser bonito aquilo que possui atitudes feias.
Ora, é bom lembrar que há uma diferença grande entre conceito e aparência. Conceito é aquilo que se julga existente em algo a partir de sua aparência. Já esta, a aparência, que é muito mais real é verdadeira, não exige maiores divagações. Ou é ou não é. Através da aparência se verifica o brilho da pedra, o cintilar da joia, as dobras do mármore. E não precisa saber de que rocha veio nem o que está contido no seu exterior.
Então, eis a verdadeira beleza, exposta que é no brilho da pedra, no luzir do diamante, no amarelado do ouro, na forma do riquíssimo pingente. E se ao olhar para a pedra e nela encontrar o encanto que os olhos tanto almejam, então logicamente que ali estará a beleza. Ademais, ninguém venha me dizer que algo até que é meio feio por fora, mas que por dentro é um tesouro.
Desse modo, que valor teria o olhar que só julga o aparente, o não visível, o exterior? É no olhar que está a certeza, pois contradiz no mesmo instante a conceito formado. É através do olhar que se enxerga e se vê, não o pensamento abstrato, que se juntando à noções metafísicas, apenas pressupõem. É o olhar que diz logo na cara: é linda ou feia, e pronto. E se depois a pessoa quiser encontrar algo bonito na feiúra, que faça por conta e risco, mas a beleza exterior será impossível de obter.
Tudo dito até agora serviu apenas para tirar uma inafastável conclusão: Roupa bonita, joia cara, sapato importado, cabelo de salões, unhas brilhantes, bolsas chiques e cheias de cartões de crédito, nada disso tem o poder de transformar uma mulher feia em bonita. Do mesmo modo, não há riqueza, poder, profissão, status e banho de tudo que possa ser mais luxuoso no mundo que possa transformar uma verdadeira perereca numa princesa.
Ora, se a menina nasceu feia, somente as transformações impostas pelo amadurecimento poderão torná-la mais atraente ou mesmo bonita, mas nunca colocando ilusões materialistas por cima. Um brinco de milhões numa orelha ao lado de um rosto feio não fará efeito nenhum. Pode colocar o batom que quiser, arrumar o cabelo como puder, mas nada, absolutamente nada tornará o feio bonito pelo que usa.
Tem gente que nem aparência mais simpática consegue com tanto brilho e luxo. Quanto mais inventa, adquire produtos e reinventa-se mais fica feia. E fica esquisita porque a natureza muitas vezes rejeita estripulias demais por cima daquilo que Deus criou. E o pior é que para pessoas com características indesejadas o outro é sempre feio.
Por outro lado, a menina que nasceu bela, cresceu bela e anda pelas tardes da vida alegrando os olhares inteligentes, na maioria das vezes não precisa de nenhuma invenção por cima de si para ser atraente, linda e encantadora. Roupa simples, chinelo no pé, cabelo solto, pele sem maquiagem e a natureza lhe acompanhando.
E a natureza acompanhando porque parece uma leve onda ao entardecer, uma brisa gostosa no cais, um passarinho que passa e pousa. E os olhos alegres e agradecidos a Deus pela perfeição que colocou naquela mocinha pobre, que mora longe, bem longe, mas que é linda, tão linda, que o olhar começa a chamar o coração para apreciar.




Poeta e cronista
e-mail: rangel_adv1@hotmail.com
blograngel-sertao.blogspot.com

Um comentário:

Toninhobira disse...

Um tema que faz revirar os olhos e torcer o nariz amigo. O que Vinicius fez deixou uma marca nos que se acham feio.Mas o pior mesmo é esta tentativa de se parecer lindo usando tantas mascaras que a propria natureza rejeita.Um abração amigo.